Civilização Antiga

História dos Povos da Antiguidade

Carregando...

31/01/2014

Curso Online de História

Que tal estudar história de forma fácil e interessante?

Esta dica é para você que procura tirar boas notas na escola e gabaritar aquela prova de História. Está dica é também para você que busca aprovação no Exame Nacional do Ensino Médio, ENEM, e assim conquistar a sua tão sonhada vaga na faculdade.

Conheça o curso online preparatório de História do IPED. Não é segredo pra ninguém que no mundo de hoje a Internet é uma fonte inesgotável de informação.

Preparatório Enem
Encontramos numa simples busca no Google, a maioria das informações que queremos encontrar. No entanto, a maioria das pessoas só querem a informação naquele momento, esquecendo-a depois.

Alunos do ensino Fundamental, Ensino Médio e até de ensino Superior recorrem aos sites da “grande rede mundial” em busca de informações afim de inseri-la em seus deveres de casa (trabalhos escolares).

É por este motivo que você recorre aos sites de busca não é verdade? Neste exato momento, você esta lendo este artigo porquê está pesquisando qual o melhor curso preparatório online de História afim de aprimorar seus conhecimentos.

Você quer crescer de vida e percebeu que somente com o estudo você alcançará seus objetivos. O problema é que na maioria das vezes nosso tempo é curto demais e não temos muito tempo para estudar.

A MINHA DICA É: Estude no conforto de sua casa através do melhor site de cursos online do país, a rede de ensino IPED. Não perca mais tempo no transito para ir a um curso presencial. Fazer um curso online é tão bom quanto um curso presencial.

Estude através do seu computador de mesa, notebook, tablet ou até mesmo do seu smartphone.

Vivemos num mundo onde o tempo é precioso para aqueles que sabem tirar proveito dele. Alem do curso de História, o IPED oferece uma gama de cursos que vão desde a musica até ao ensino do Direito.

Mas o melhor disto e que, o IPED oferece milhares de cursos gratuitos e com certificado.

Se interessou? Click no link abaixo e saiba mais sobre os cursos oferecidos pelo IPED.

Continue lendo >>

21/11/2013

A Civilização Japonesa

O que nós conhecemos pelo nome de Japão, é na verdade um arquipélago composto de 4.000 milhas.

Dessas ilhas, 600 são habitadas e apenas 5 são grandes. Os povos que formaram a Civilização Japonesa vieram do sul da Ásia e da Coreia.

Segundo a tradição nipônica, o fundador do Império Japonês é Amaterasu, o neto da deusa do Sol. Ele recebe o titulo de Tenno, que quer dizer “Rei Celeste”. Jimmu Tenno tornou-se o primeiro Imperador do Japão por volta de 660 a.C.

No século V, Yamato, chefe de uma das famílias nobres do Japão, tornou-se imperador do Japão. O poder político foi divido entre o Tenno e o Regente, uma espécie de primeiro ministro.

A cidade de Nara, conhecida na época como província de Yamato, passou a ser capital do Império. No século seguinte, as ideias do filosofo chinês Confúcio, chegam ao Japão.

A Civilização Japonesa foi influenciada culturalmente pelos chineses. As tradições políticas e religiosas eram nítidas. Até o século XIII, os costumes chineses influenciavam o modo de vida dos japoneses.

Nos séculos seguintes, o Japão passou a criar suas próprias tradições. Foi no Japão que surgiu a pintura sobre a seda chamada de kakemono.

Entre os séculos XIII e XVI, o Japão mergulhou numa guerra civil. A figura do Tenno, Imperador, foi extinta e o ministro conhecido como regente, tornou-se o Shogun, mestre da guerra.

Comandando um grande exercito, Shogun põe fim a guerra civil no Japão e passa governar o país mas sem afastar sua subordinação ao Imperador Japonês.

Os guerreiros comandados pelo Shogun eram conhecidos como Samurais. No Japão formou-se um sistema de organização social semelhante ao feudalismo da Europa. Diversos feudos passaram a existir no país e que tinha como senhor feudal os Shoguns.

Em 1543, época das grandes navegações, os portugueses chegam ao Japão trazendo os Jesuítas. Em 1640, esses missionários cristãos foram expulsos da terra do sol nascente. O Japão passara a ignorar os países estrangeiros, cortando reações diplomáticas com os países ocidentais.

O Shogun Tokugawa criou uma barreira militar que isolava o Japão do resto do mundo. Somente no século XIX, na Era Meiji, é que os imperadores japoneses decidem reatar relações comerciais com os países estrangeiros, em especial os Estados Unidos. 

Os Principais Aspectos da Civilização Japonesa

Assim como na China, a sociedade japonesa se organizava em castas. Na religião, os japoneses eram animistas: acreditavam que todas as coisas tinham alma e que os espíritos estavam por toda a parte. Praticavam a crença religiosa do Xintoísmo, o caminho dos espíritos.

Outra religião adotada pelos japoneses foi o Budismo originário da Índia e que foi modificado aos costumes e crenças religiosas dos japoneses.

Continue lendo >>

13/11/2013

Os Doze Trabalhos de Hércules

Hércules foi um grande herói da mitologia grega que cometeu um pecado terrível.

Num ataque de loucura provocado pela deusa Hera, Hércules assassinou sua mulher juntamente com seus dois filhos.

Não aguentado mais o peso da culpa em sua consciência, Hércules buscou uma forma de acabar com seu sofrimento.

Estátua de Hércules
Em busca da redenção de seus pecados, Hércules foi ao encontro do Oráculo de Delfos que lhe deu o seguinte conselho: teria ele que fazer 12 trabalhos impossíveis, digno de ser considerado uma grande penitência.

Os doze trabalhos de Hércules foram escolhidos pelo Rei Euristeu que na verdade não passava de um fantoche controlado pela deusa Hera. Todos os 12 desafios foram planejados pela deusa grega. Hera odiava Hércules porque ele era filho de seu marido Zeus com outra mulher.

Se obtivesse êxito nos 12 trabalhos, o herói grego seria redimido de seus pecados e o sentimento de culpa não mais o atormentaria. Os deuses também o recompensariam. Caso cumprisse as 12 tarefas, Hércules se tornaria Imortal.

Quais foram os 12 trabalhos de Hércules?
Os doze trabalhos de Hércules foram desafios impostos ao herói grego que tinha a missão de livrar o mundo grego dos seus maiores males. Confrontar animais selvagens, forças da natureza, tiranos maus e monstros.

O Leão de Nemeia

Hércules foi em direção ao Peloponeso para dar fim a um grande felino que aterrorizava os moradores locais, o Leão de Nemeia. Ele capturou o animal, conseguindo mata-lo por estrangulamento.

A pele do animal foi arrancado pelo herói grego que passou a usa-la como se fosse uma armadura.

A Serpente Hidra

Hidra era uma serpente venenosa e imortal em forma de dragão e que tinha nove cabeças. Quando Hércules cortava-lhe uma de suas cabeças outras duas cresciam em seu lugar. Para derrotar a serpente imortal, Hércules teve que usar uma estratégia: ao cortar uma cabeça, Hércules logo queimava a região cortada da serpente antes que crescesse uma nova cabeça. Com a ferida cauterizada a serpente não mais conseguia se regenerar.

Ao derrotar Hidra, Hércules banha suas flechas com o sangue da serpente venenosa. Suas flechas envenenadas passaram a ser altamente toxicas.

A Corsa de Cerineia

A Corsa de Cerineia era um animal lendário com chifres de ouro e que era tão veloz quanto uma flecha lançada por um arco. A mitologia grega narra que Hércules correu por um ano atrás da Corsa que ao ficar exausta de tanto correr foi atingida pela flecha de Hércules.

O Javali de Erimanto

Hércules capturou vivo, um Javali devorador de homens. O animal foi perseguido por Hércules mas, deu menos trabalho que a Corsa de Cerineia. Após algumas horas fugindo de Hércules, o Javali deitou exausto no chão e foi capturado e levado até Euristeu.

Limpando o estábulo do Rei Aúgias

Em seu quinto trabalho, Hércules teve que realizar um trabalho sujo. Ele limpou um complexo imenso de estábulo cheio de estrume em apenas 1 dia. Ele percebeu que o estábulo ficava entre dois rios e teve uma ideia, desviou os dois rios fazendo com que eles passem entre o estábulo.

As Aves Monstruosas

No seu sexto trabalho Hércules enfrentou aves ferozes que comiam homens. Ele se livrou delas com suas flechas envenenadas. A Maioria das aves foram mortas por eles. As que sobreviveram, abandonaram o Lago Estínfalo e fugiram em direção as regiões longínquas.

O Touro da Ilha de Creta

Hércules teve a missão de capturar o touro do rei Minos de Creta para ser entregue a Euristeu. O animal indomável foi dominado por Hercules, frustando Hera que desejava o fracasso da missão de Hércules.

Derrotando o Rei Diomedes

Diomedes, Rei da Bistonia, possuía cavalos bizarros treinados para atacarem e devorarem seus inimigos e estrangeiros que ousassem entrar em seu reino que estava localizado na região da Trácia. Hércules subjugou o Rei Diomedes que foi devorado pelos seus próprios cavalos.

Guerreiras Amazonas

Em seu nono trabalho Hércules enfrentou mulheres guerreiras comandadas pela rainha Hipólita. Hércules venceu as Amazonas comandada pela rainha Hipólita e ficou com o cinturão mágico que ela vestia.

O Gigante Gerião

Em seu décimo trabalho, Hércules precisou ir a uma terra distante afim de capturar o gado de Gerião, um gigantesco monstro de três cabeças. Hércules usara novamente o arco e suas flechas envenenadas e derrotau Gerião.

As Maçãs de Ouro

Em busca do Jardim das Hespérides, Hércules conheceu Atlas, aquele que carrega literalmente carrega o mundo nas costas. Ao conversar com Hércules, Atlas revelou que sabia a exata localização do Jardim. Disse também que o Jardim era vigiado por um terrível dragão de cem cabeças.

Hércules propôs um acordo com Atlas: carregaria o mundo nas costas enquanto Atlas fizesse o trabalho de colher as maças de ouro e matar o dragão de cem cabeças. O Titã Atlas aceitou a oferta de Hércules pois queria, mesmo que por um breve momento, se livrar do peso do mundo em suas costas.

O Guardião do Inferno 

Em seu ultimo trabalho, Hércules foi em direção ao alem: a terra dos mortos controlada por Hades. Teria Hércules que capturar Cérbero, cão infernal de três cabeças guardião dos portões do inferno.

Hades autorizou Hércules a levar Cérbero. No entanto, ele teria que domina-lo usando apenas as mãos. Hércules se livrou de todas as armas que possuía e lutou contra Cérbero usando apenas a força de seus braços. Hercules retorna do inferno, trazendo consigo o seu guardião.

Termina assim os 12 Trabalhos de Hercules. Ele superou todos os obstáculos colocados em seu caminho. Suportou tormento físicos e mentais além do imaginável. Assim ele finalmente estaria em paz.

Zeus, deus do Olimpo, fez de Hércules um imortal e convidou a viver no Monte Olimpo juntamente com os outros deuses.

Continue lendo >>

06/11/2011

Os Celtas

Povo místico que habitou o continente Europeu entre 2000 a.C. e 400 d.C..

Os celtas descendiam das tribos indo-europeias. São atribuído a eles a introdução da metalurgia na Europa, dando inicio a idade do ferro nesta região.

Os historiadores gregos foram um dos primeiros a mencionarem os celtas em seus livros. Os gregos os chamavam de Keltoi, mais tarde eles seriam chamados pelos Povos Romanos de Celtae.

Arte Celta
Os Celtas já habitaram as regiões que hoje pertencem as nações do Reino Unido, Portugal, França e Espanha, Bélgica e Alemanha.

Estavam divididos em varias tribos com diferentes nomes. As tribos que sobreviveram ao tempo foram as dos bretões, gauleses, celtiberos e hibérnios.

Por volta do ano 2.000 a.C, essas tribos já ocupavam a maior parte do continente europeu. Estudiosos da atualidade acreditam que as primeiras tribos celtas estavam concentradas na Península Ibérica. Partindo desta região eles imigraram para o restante da Europa. Esta teoria ganhou força após os estudos realizados pelo geneticista Daniel Bradley que comprovou que os traços genéticos dos celtas eram mais forte nos habitantes da Península Ibérica com relação aos habitantes de outras regiões da Europa.

Vestígios da Civilização Celta foram encontrados por toda a Europa. Os achados mais importantes foram os sítios arqueológicos de Hallstatt e da La Tène. Nesses sítios foram encontrados equipamentos de guerra como espadas, escudos e elmos e outros utensílios como vasos, braceletes e broches.

A sociedade celta tinha como principal pilar o clã tribal, grupo composto por pessoas de mesmo parentesco. Com o tempo a sociedade celta passou a ser dividida em classes, tese defendida pela descoberta de túmulos diferenciados dos outros túmulos celtas encontrados.

Os druidas, uma espécie de líder comunitário e sacerdote da religião celta, era uma das figuras mais respeitadas na sociedade céltica. Os druidas eram os homens mais instruídos da sociedade celta, seus conhecimentos iam da medicina natural até a astronomia. O Druida mais conhecido da história foi Merlim.

A Religião Celta

A religião celta tinha como principal característica o animismo, ou seja, a crença que todos elementos da natureza fazia parte do divino. A própria terra era vista como templo religioso e por isso os celtas faziam os seus rituais ao ar livre.

Algumas das celebrações de cunho religioso dos celtas eram:

Imbolc – celebração celta em comemoração ao começo da vida na natureza ao final do inverno.
Samhain – a festa em homenagem aos mortos.

Os celtas também eram politeístas, a grande quantidade de tribos refletiria na adoração de muitas divindades. Eles não eram muito adeptos da escrita, e por isso sabemos muito poucos de seus deuses. Os antigos romanos foram os primeiros a relatar e escrever sobre os deuses celtas.

Os mais conhecidos deuses celtas relatados por eles foram; Dagda, Danu, Sucellus, Epona, Goibiniu, Slough Feg e Taranis.

Um pequeno grupo de historiadores acreditam que os Celtas para satisfazerem seus deuses realizavam oferendas humana. Alguns sacrifícios eram feitos num ritual conhecido como Homem de Vime. Um grande boneco de palha era feito e dentro dele era posto um ser humano oferecido como sacrifício. Ao final da cerimônia realizada por um druida, os celtas ateavam fogo na vitima que queimava juntamente com o boneco de vime.

O Fim da Civilização Celta 

Organizados em tribos independentes , os celtas não conseguiram resistir por muito tempo ao avanço do Império Romano que conquistou as principais regiões célticas. Os últimos redutos da civilização celta passaram a ser a Escócia, a Irlanda e o Pais de Gales.

Os celtas que viveram nessas regiões conseguiram por algum tempo resistir a influência da civilização romana, pois estavam distantes de suas fronteiras.

A identidade cultural dos últimos remanescentes da civilização celta seriam perdidas com a chegada dos romanos na Escócia e Irlanda. Esses países foram convertidos ao cristianismo defendido por Roma.

Continue lendo >>

18/10/2011

Os Vikings

Povo de origem nórdica que antigamente habitava a região da Escandinávia.

Os vikings eram um povo guerreiro e colonizador que exploraram regiões da Europa e do Atlântico Norte.

Eram navegadores destemidos que dominaram as principais rotas de navegação da Idade Média.Drakkar VikingA História dos Vikings

Os vikings descendiam dos povos indo-europeus. Eram um dos Povos Bárbaros que se tornaram hábeis navegadores. Os vikings viviam na regiões escandinavas que hoje correspondem aos países da Noruega, Suécia e Dinamarca.

Com o crescimento de sua população, os vikings precisaram encontrar novas terras para se estabelecerem. Ao tomarem conhecimento da existência de terras além mar, os vikings passaram a praticar intensamente a navegação.

Os navios vikings navegavam pelo desconhecido afim de encontrar novas terras. Foram encontrado por eles diversas terras já habitadas.

Os navios vikings eram embarcações movidas a vela e a remo. Eram capazes de navegar tanto em marés e oceanos como em rios de águas rasas.

As principais embarcações vikings eram:

Dracar - embarcação que tinha em sua proa uma cabeça em forma de Dragão.
Knorr - barco rasante com cerca de 20 metros de comprimento e 5 de largura.

Cultura e Religião Viking

Os Vikings eram de origem indo-europeia e por isso adoravam os mesmos deuses que os germânicos. Cultuavam também seus ancestrais em busca de proteção.

O maior dos deuses vikings era Odin, o Deus da Guerra. O oposto de Odin era Freya deusa da paz e da fertilidade. Em elevada adoração estava também Thor, o Deus do Trovão.

O paraíso viking era a Valhala, lugar de descanso onde somente as almas dos mortos em combate iriam. As almas destes guerreiros mortos seriam entregues as Valkirias, mulheres guerreiras responsáveis pela entrega das almas a Valhala.

Os vikings acreditavam também no Ragnarok, batalha catastrófica que culminaria com a morte de seus deuses e como consequência disto a destruição total do mundo.

A Era Viking

A Era Vinking foi um período que durou pouco mais de trés séculos. Teve início na Inglaterra com o assalto viking ao mosteiro de Lindisfarne em 793, e terminou com a conquista da Inglaterra pelos Normandos em 1066.

Os vikigs não eram somente conhecidos por ser hábeis navegadores, eles também tinham a fama de ser um povo guerreiro e cruel. Por onde passavam os Vikings deixavam um rastro de terror e destruição.

Os vikings noruegueses atacaram e exploraram regiões que hoje correspondem a Irlanda, Escócia, Islândia e Groenlândia. Entre os vinkings noruegueses estava Erick, o Vermelho, personagem histórico que após ser expulso da Noruega colonizou a Islândia e depois a Groenlândia.

Os Vikings dinamarqueses conquistaram parte dos territórios da Inglaterra e França e lá passaram a ser chamados de Normandos. Já os Vikings suecos foram em direção ao leste da Europa e fundaram povoados no território da atual Ucrânia.

A conquista da Inglaterra pelos Normandos em 1066 significou uma profunda mudança de valores dos Vinkings. Os normandos se converteram ao cristianismo e passaram a difundir a nova religião pela região da Escandinávia.

Convertidos ao Cristianismo, os vikings renunciaram a guerra e a violência cultuada em nome de seus antigos deuses pagãos que valorizavam a luta e a coragem.

Os Vikings descobriram a América?

Um grupo de historiadores conseguiram provar com evidências arqueológicas que os Vikings chegaram na América antes mesmo de Cristóvão Colombo. Por volta do ano 1000 o viking Leif Eriksson, filho de Eric, o Vermelho, havia desembarcado nas terras do atual Canadá. Lá Leif Eriksson havia tentado sem sucesso fundar uma colonia chamada Vinland.

Por que os Vikings usavam capacetes com chifres?

Os vikings nunca usaram capacetes com chifres. Esta ideia de guerreiros vikings com elmos com chifres foi difundido pelas óperas do século XIX que contavam a história dos Vikings.

Os elmos dos guerreiros vikings na verdade eram de forma cônica, iguais aos elmos de outros povos bárbaros.

Continue lendo >>

10/08/2009

O Império Mongol

Império das tribos nômades da Ásia Central que se tornou o maior Império territorial já formado na História.

O Império Mongol no seu auge englobava o território da China, Mongólia, Coreia, Vietnã, Tailândia, Pérsia, Turquestão e regiões da Rússia e Armênia.

O grande responsável pela criação do Império Mongol foi o conquistador Temudjin, conhecido pela história como Genghis Khan.Genghis KhanA região da Mongólia era habitada por um grande numero de tribos. Os mongóis por muitos séculos passaram a lutar uns contra os outros. Os principais clãs tribais eram:

Tayichiut, Tártara, Merkit, mongol e Keirat. Essas tribos viviam constantemente em guerra.

Temudjim foi nomeado líder dos Keirats e iniciou uma grande batalha contra as outras tribos Mongóis. Ele tinha um sonho, queria unir todas as tribos mongóis sob a bandeira de uma nação, a nação Mongol.

Em 1206 Temudjin após subjugar um grande numero de tribos tornou-se líder supremo dos Mongóis passando a ser conhecido Genghis Khan.

O Império Mongol foi criado a base de terror. Os habitantes das regiões conquistadas pelos mongóis eram tratados com extrema crueldade.

Ao unir as tribos mongóis sob o seu comando, Genghis Khan tornou-se líder de um gigantesco exército que tinha como principal arma uma cavalaria de grande eficiência.

Valendo-se deste exército Ghengis Khan conquistou um vasto território que se estendia da costa leste da Ásia ao rio Danúbio, das estepes da sibéria ao mar da Arábia.

Em seu reinado Genghis Khan conquistou a China, Uzbequistão, Quirguistão, Turcomenistão, Tajiquistão e Afeganistão. Com a morte de Khan em 1227, o vasto território do Império Mongol foi dividido entre seus filhos.

Os herdeiros de Genghis Khan trataram de consumar a conquista das regiões europeias. Liderados por Batu Khan conquistaram grande parte dos principados russos, atacando também a Polônia, Hungria e Romênia.

No estremo Oriente, Kublai Khan conquistou parte da China tornado-se o primeiro Imperador da Dinastia Yuan.

Os mongóis também conquistaram os territórios muçulmanos antes pertencentes a Dinastia Abássida.

Veja também: Os Hunos

Continue lendo >>

08/08/2009

Os Hunos

Os mais temidos de todos os povos bárbaros.

Os Hunos eram um povo de raça amarela originários do centro asiático.

São considerados os principais responsáveis pela Queda de Roma, pois empurrou para dentro do Império Romano, as tribos germânicas que quebraram a unidade política de Roma.HunosOs hunos viviam como nômades que se dedicavam a atividade pastoril. Moravam em barracas e carroças. No entanto, eles não se limitavam apenas a criação de pasto e cavalos, eram exímios guerreiros de raro valor. Os hunos montados em seus cavalos conseguiam manejar facilmente armas como lanças e arcos.

Os hunos entravam em qualquer guerra que lhes trouxessem grandes recompensas. O saqueamento dos povos conquistados passou a ser a principal atividade econômica exercida por eles.

Inicialmente os hunos tentaram dominar o extremo asiático mas, foram freados pela Muralha da China. Com o aumento da população tártara mongol, migraram para oeste asiático até chegarem na Europa Oriental.

Quando chegaram a Europa, os hunos passaram a disputar as regiões habitadas pelos bárbaros germânicos e eslavos. Acuados, os bárbaros do ocidente fugiram para dentro do território romano.

Com a morte do Khan Rugila em 434, a liderança dos Hunos passou a ser disputada pelos seus dois sobrinhos, Bleda e Átila.

Em 445 Bleda morreu deixando para o seu irmão, Átila, a liderança total das tribos hunas. Átila que ficou conhecido pela historia como o Flagelo de Deus, aspirava ser o Rei dos Reis. Em seu reinado Átila buscou a consolidação dos domínios hunos desejando ainda a conquista do Império Romano, fonte de inúmeras riquezas.

O primeiro alvo dos hunos foi a capital do Império Romano do Oriente, Constantinopla. A capital romana do Oriente só não caiu diante da ferocidade dos hunos por que o Imperador Bizantino, Teodósio II, concordou com o pagamento de um grande tributo em ouro para Átila.

Achando pouco a pilhagem adquirida em Constantinopla, Átila rumou com seus guerreiros em direção ao coração do Império Romano, Roma.

Na Europa ocidental os hunos enfrentaram uma coligação romana-germânica sendo derrotados na Batalha de Chanlons. Mesmo derrotados nesta batalha, os Hunos continuaram a incursionar sobre a Europa chegando ao seu destino na Península Itálica.

Roma só não foi destruída porque o Papa Leão propôs a Átila um pagamento em ouro semelhante ao que os bizantinos de Constantinopla lhe propuseram.

Alguns historiadores acreditam que na verdade Átila estava com suas tropas enfraquecidas em decorrência de pestes e doenças e por isso não continuou com o sitio em Roma.

Em 453 Átila morreu repentinamente, desaparecendo junto com ele seu Império.

O Império Huno formado por Átila ia das estepes da Ásia central até as fronteiras oeste da Alemanha atual.

Continue lendo >>

Esparta

Cidade-estado grega. Berço dos mais ferozes guerreiros do mundo antigo, os Espartanos.

Esparta diferenciou-se das demais cidades estados gregas pelo seu caráter militar. Os espartanos, desde criança, tinham que acreditar numa unica verdade: nascer o morrer servindo Esparta.

localizada na Península do Peloponeso, Esparta foi fundada pelos Dórios. Antes da chegada dos Dórios a região já era habitada. Os Dórios por serem um povo guerreiro, conseguiram vencer facilmente os povos nativos da região.
EspartaMesmo vencido os povos conquistados ainda eram maioria. Por este motivo os Dórios formaram um grande acampamento militar precavendo-se de uma possível rebelião por parte dos povos dominados por eles.

É atribuído a Licurco, a criação da constituição que fez de Esparta um Estado militarista. Em Esparta a sociedade era dividida da seguinte forma:

Esparciatas - Descendentes dos dórios passaram a formar a classe dominante de Esparta.

Periecos - Pessoas livres que exerciam a função de artesãos e comerciantes. Descendiam dos grupos de pessoas que não se opuseram a dominação dórica. habitavam as regiões menos férteis para a pratica da agricultura

Hilotas - Aqueles que lutaram contra a dominação dos esparciatas. Vencidos, passaram para a condição de escravos dos esparciatas.

Esparta era governada por uma Diarquia, governo oligárquico formado por dois Reis responsáveis pelas decisões políticas e religiosas. Os dois soberanos contavam com a ajuda da Gerúsia, conselho formado por 28 anciãos.

Os cidadãos de Esparta também participavam das decisões políticas através da Apela, assembléia formada por 30 esparciatas maiores de 30 anos. Os membros da Apela tinha a função de eleger os Éforos.

Os Éforos eram aqueles que administravam e fiscalizavam as comunidades espartanas.

Os esparciatas deviam total obediência a Esparta servindo-a como militar. Na busca por soldados perfeitos, os espartanos tinham o costume de sacrificar as crianças recém nascidas que por ventura possuísse algum defeito físico.

Aos sete anos de idade, os pais das crianças espartanas passavam a incutir nos corações de seus filhos o orgulho de ser um guerreiro espartano. Ao alcançar 12 anos de idade as crianças espartanas passavam a ser educadas pelo Estado.

A educação que eles recebiam era rígida e sofrida. Os educadores de Esparta buscavam criar assim soldados perfeitos capaz de sobreviver a todas as privações de uma guerra.

A mulher espartana era mais valorizada em comparação as mulheres das outras cidades gregas. Tinha papel primordial na procriação de filhos fortemente sadios.

Na busca pela liderança do mundo grego, Esparta entrou em guerra contra Atenas dando origem a Guerra do Peloponeso ocorrida no século V a.C..

Veja também: A Civilização Grega

Continue lendo >>

30/07/2009

Os Povos Bárbaros

Povos rebeldes a cultura romana e que destruíram a unidade política de Roma.

Povos Bárbaros, era assim que os gregos chamavam os povos que não falavam a sua língua.

O mesmo termo foi usado pelos romanos que tachou de bárbaros todas as pessoas que viviam além das fronteiras de Roma.BárbaroOs principais povos bárbaros eram os germânicos que habitavam o centro e o norte da Europa. Os rios Reno e Danúbio passaram ser as fronteiras que separavam as cidades romanas das zonas habitadas pelos bárbaros.

Os bárbaros germânicos eram um povos de origem indo-europeia. as diferentes tribos germânicas eram formadas pelos Visigodos, Ostrogodos, Vândalos, Anglo Saxões e Francos.

A parte oriental da Europa era habitada pelos Eslavos que correspondiam as tribos dos búlgaros, sérvios, polacos, russos e eslovenos.

Os bárbaros organizaram se em tribos nômades que praticavam o pastoreio e agricultura itinerante. Estas atividades só eram exercidas nos tempos de paz. A principal caracteristica dos povos bárbaros era o fato de eles terem fascínio pelas guerras que tinham como recompensa as pilhagens.

Cada tribo bárbara era liderada por um chefe militar escolhido por uma assembléia de guerreiros. A coragem e a bravura eram atributos que pesavam na escolha do novo líder.

Os bárbaros eram politeístas, adoravam inúmeras divindades. Os principais deuses dos povos germânicos eram::

Odin, Deus dos guerreiros.
Thor, Deus do Trovão
Freya, Deusa do Amor.

A crença religiosa fazia com que esses povos desejassem a guerra. Somente os guerreiros mortos em combate iriam para a Valhala, o Paraíso.

Por muito tempo as tribos germânicas manteram uma relação amigável com a Civilização Romana. Muitos deles foram até recrutados como soldados nas legiões romanas.

Esta situação mudaria com a chegada dos Tartáros, Mongóis e Hunos ao continente europeu. Os povos germânicos considerava os hunos superiores a eles na arte da guerra. Para fugirem das lutas contra os hunos, os germânicos invadiram o território romano.

Uma vez dentro de Roma os germânicos saquearam e destruíram as cidades romanas, culminando com sua queda em 476, ano em que Odoacro, Rei dos Erulos, depôs Rômulo Augusto do poder romano e se declarou Rei da Itália.

Com a fragmentação do Mundo Romano foi criado inúmeros reinos na Europa. Os principais reinos a existirem foram:

Reino dos Ostrogodos - criado na Península Itálica.
Reino dos Visigodos - criado na Península Ibérica
Reino dos Vândalos - criado no norte da África;
Reino dos Suevos - criado na região costeira da Península Ibérica.
Reino dos Borgundinos - Reino formado na região da Gália e que mais tarde seria conquistada pelos francos.
Reino Anglo Saxão - reino surgido na Bretanha após os saxões vencerem os bretões.

O Império Romano foi destruído mas a religião católica romana foi aceita pelos bárbaros. Os novos reinos surgidos adotaram o Cristianismo como religião, fazendo com que a igreja católica exercesse autoridade sobre todos.

A queda de Roma diante dos povos Bárbaros marcou o inicio da Idade Média.

Veja também: Os Romanos

Continue lendo >>

27/07/2009

A Civilização Chinesa

Ás margens do Rio Huang Ho, nasceu uma das civilizações mais antigas do mundo, a Civilização Chinesa.

Acreditasse que por volta de 5000 a.C., a China Antiga era habitada por povos bastantes evoluídos.

Os primitivos chineses praticavam a agricultura e domesticavam carneiros, porcos, bois e cachorros. As águas do rio Huang Ho, o rio Amarelo, foi essencial para o desenvolvimento da Civilização Chinesa.

A arte também era bastante evoluída, chegando ao seu apogeu no período da Cultura Long Shan (2500 a.C -1900 a.C).

Em meados de 1500 a.C., foi criado o império do Centro governado pelo Filho do Céu, representante de Deus na terra e que exercia a função de chefe político e religioso.

Com a criação da unidade política surge também as primeiras cidades Palácios, comunidades rodeadas por muralhas. A sociedade era dividida em dois grupos extremos que são:

Nobres - Grupo de pessoas que descendiam de um grande clã ancestral. Eram grandes proprietários de terras.

Camponeses - pessoas que viviam no campo, responsáveis pelo cultivo das terras agrícolas. Eram os camponeses que sustentavam o luxo da nobreza.

A agricultura foi a principal atividade econômica da China Antiga. Com o crescimento da civilização chinesa, a sociedade passou a ser dividida em 4 grupos distintos.

1. Imperadores, Nobres e Altos Funcionários.
2. Artesãos, Mercadores e Letrados.
3. Camponeses
4. Escravos

Com o passar dos séculos, o Império Central foi enfraquecendo-se. Na dinastia Xia o território chinês foi dividido em 9 províncias. Com a autonomia política adquirida, as províncias chinesas passaram a disputar o poder central.

Por volta de 1760 a.C., a província Shang, governada por Cheng Tang conseguiu submeter as outras províncias chinesas sob o seu domínio.

Em meados do século XII a.C., os Chou, vindos da região do rio Wei, invadiram e conquistaram o território chinês controlado pela dinastia Shang. A dinastia Chou foi a que mais durou no poder chinês, governando até o século III a.C. Neste período foi introduzido na China a metalurgia do ferro.

A dinastia Chou entraria em colapso após inúmeras guerras movidas pela cobiça do poder chinês entre os membros da família real chinesa, fato que fez com que o território se fragmentasse.

Em 221 a.C., Quin Che Huang Ti conquista os reinos vizinhos e tornasse o primeiro Imperador da China Unificada. Para melhor proteger o Império Chinês das invasões estrangeiras, Quin inicia a construção das famosas Muralhas da China. A Dinastia Quin chegaria ao fim com a morte de Che Huang Di.

Após a morte de Che Huang Ti, a dinastia Han assume o poder chinês. Esta dinastia aumentou o domínio chinês a estender suas influencias sobre as regiões da Coreia, Mongólia e Vietnã. O mandarim passou a ser a língua oficial do império.

Devido ao comércio com o Ocidente (rota da seda), dominado pela Civilização Romana, surgiu na China uma nobreza interessada pela arte. Influenciados pelas obras dos filósofos Confúcio e Lao Tsé, os imperadores da dinastia Han tentaram governar a China com sabedoria.

A dinastia Han chegaria ao fim em 220 d.C. O Império Chinês seria sacudido pelos invasores mongóis somando a isso as disputas internas que fizeram com que a China ficasse dividida em três reinos.

As outras dinastias surgidas na China foram; a Dinastia Jin, Dinastia Sui, Dinastia Tang, Dinastia Yuan, Dinastia Ming entre outras.

Em 1644, povos estrangeiros conquistam a China e fundaram a Dinastia Qing. Já no Século XIX, o Império Qing tornou-se decadente e incapaz de libertasse da dominação de países estrangeiros como Inglaterra e Estados Unidos.

O Império Chinês buscando impor sua soberania sobre seu próprio território, proibiu o comercio de opio na China, iniciando uma guerra contra as nações ocidentais. Em 1840 a Inglaterra juntamente com outras potências ocidentais venceu a China na Guerra do Opio. Derrotada a China teve que acatar as decisões estrangeiras que aumentaram ainda mais suas áreas de influência sobre o território chinês.

Em 1912 nacionalistas chineses, liderados por Sun Yat Sen, derrubaram a Dinastia Qin e fundaram a Primeira República Chinesa, conquistando assim uma maior autonomia para China.

Nas décadas seguintes houve um desentendimento entre nacionalistas e comunistas da China, fato que desencadeou uma guerra civil que só terminaria em 1949 com a vitoria dos comunistas liderados por Mao-Tse-Tung.

Atualmente a China é o país mais populoso do mundo e que vive uma controvérsia: Um nação governada por políticos comunista mas com economia tipicamente capitalista

Continue lendo >>
Civilização Antiga © Copyright - Todos os direitos reservados.

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia. Só é permitida a reprodução para fins de pesquisas e trabalhos escolares.

Plágio é crime (Artigo 29 Lei 9.610/98)